Site Autárquico de Ovar

AdRA avança com mais de 5 Milhões de euros para obras de Beneficiação e Ampliação da Rede de Saneamento em Válega e Torrão do Lameiro

Obras e Projetos

“Ovar dá um grande salto na área ambiental”

03 de outubro de 2018

Ovar teve ontem mais um dia memorável. Um dia que ficou marcado pelo arranque simbólico das empreitadas de Beneficiação e Ampliação da Redes de Saneamento de Válega e Torrão do Lameiro, ambas da responsabilidade da AdRA – Águas da Região de Aveiro, representando um investimento global superior a 5 Milhões de euros que proporcionará uma taxa de cobertura da  rede próxima dos 100%. Um dia, no qual “damos um salto grande na área ambiental e, se queremos ser ousados nesta área, se pretendemos uma economia circular e a diminuição da pegada ecológica, não nos podemos esquecer o que são os problemas de 1ª geração em termos ambientais”, referiu Salvador Malheiro, presidente da Câmara Municipal de Ovar.

 

A empreitada de Beneficiação e Ampliação da Rede de Saneamento de Válega, tecnicamente designada de “Águas Residuais do Sistema em Válega/S. Vicente de Pereira (PAR 013) – 2ª fase – Ovar”, foi adjudicada por 4.28 Milhões de Euros. Com um prazo de execução de 365 dias, esta obra abrange os lugares de Cadaval, Molaredo, Porto Laboso, Regedoura, S. João de Válega, Carvalho, Bustelo, Corgas, Paçô, Real, Rouçadas de Vilarinho, Sargaçal e Vilarinho da freguesia de Válega, e ainda Guilhovai e Assões na freguesia de S. João de Ovar. Esta empreitada em conjunto com a empreitada Águas Residuais do Sistema em Válega - S. Vicente de Pereira (PAR 014), no valor de 1, 95 Milhões de euros e que está em curso desde maio, permitirá que Válega tenha uma cobertura da Rede de Saneamento próxima dos 100%

 

Já a empreitada de Beneficiação e Ampliação da Rede de Saneamento no Torrão do Lameiro – “Águas Residuais do Sistema de Ovar/S. João (PAR 002) – 2ª fase”, no valor de 790.557,23 euros, permitirá servir uma população de 963 habitantes, ficando igualmente este lugar com uma cobertura de rede na ordem dos 100%.

 

Salvador Malheiro considerou que “este é um dia muito importante para Ovar. Um dia no qual damos um salto grande na área ambiental e, se queremos ser ousados nesta área, se pretendemos uma economia circular e a diminuição da pegada ecológica, não nos podemos esquecer o que são os problemas de 1ª geração em termos ambientais. Em pleno século XXI, ainda há freguesias nas quais não existe uma rede completa de águas residuais, de resíduos sólidos urbanos e até de abastecimento de água. Por isso, para resolvemos este problema, temos de começar pelo início, olhando para as questões de salubridade pública”.

Sobre a empreitada na Vila de Válega, o autarca explicou que esta é a freguesia que “neste momento, tem a taxa de cobertura de rede mais reduzida de todas. E com esta obra em complemento da outra que se iniciou há uns meses atrás, vamos passar a ter uma taxa de cobertura próximo dos 100%. Válega vai passar do último lugar para o primeiro lugar”. Sublinhando que estas “são obras impopulares, debaixo da terra, que trazem muitos transtornos à população, mas asseguro-vos que é das obras mais importantes que acontecem neste território e, neste contexto, quero que tenham a noção do esforço efetuado pela AdRA – Águas da Região de Aveiro, da qual fazemos parte e só nesta obra vamos investir cerca de 4.3 Milhões de euros, uma obra que abrangerá cerca de 4600 pessoa, o que significa um investimento de quase mil euros por cada pessoa”.

 

No Torrão do Lameiro, Salvador Malheiro explicou que “Estamos a cumprir com o que havia sido prometido e estamos a fazer justiça”, recordando que “o Torrão do lameiro já teve uma obra ao nível da Rede de Saneamento, mas não abrangeu toda a população. Queremos um território coeso, onde haja equidade. Não queremos  ter gente de primeira e gente de segunda, por isso é com muita satisfação que vemos finalmente a concretização desta obra que nos vai permitir dar um grande salto qualitativo, sobretudo  para as gerações futuras. Os problemas de primeira geração em matéria ambiental têm que estar na primeira linha de prioridades e, neste local, temos à frente a Ria e atrás o mar. Sabemos que vamos ter uma obra estrutural que é o desassoreamento da nossa Ria, mas eu diria que esta obra de proximidade tem uma grande importância. Se nós não tratarmos da salubridade pública de imediato, estaremos a colocar em causa investimentos que possam vir a ser feitos.”